MULHER SELVAGEM

Texto por Jéssica Machado


A palavra "sagrado" significa algo para ser venerado, respeitado e admirado, com profunda ligação com os deuses e templos. A Mulher é a ponte viva entre esse mundo e o mundo espiritual, trabalhamos com intuição e zelo, nossas preces tem forte poder de proteção, nosso corpo gera e mantém a vida - existe algo mais sagrado e forte do que dar à luz?


Carregamos em nós o instinto de cuidar. Em toda a natureza, é a fêmea que cuida da cria alimentando, protegendo e educando.

A palavra "mulher" possui seu significado por si só, porém traz consigo tantas outras: graça, sabedoria, cura, força. Há milhares de anos vem resistindo a duras penas a opressão - morte por apedrejamento era lei para aquela que desonrasse sua família na época de Cristo. Estima-se que 60 mil mulheres foram queimadas em praças públicas durante a inquisição que durou em média 300 anos, e hoje em dia os números continuam lastimáveis. Os dados mostram que quase meio milhão de mulheres são estupradas em um ano somente no Brasil. A cada 7 segundos acontece uma agressão física e a média de feminicídio é de 4.800 ao ano.

Levando a uma escala mundial, quantas sagradas mulheres deixam de trabalhar em prol

da Terra? Quanta sabedoria, cuidado e cura deixou de ser plantada nessa terra? Olha o quanto o mundo perde por essa cultura machista e violenta há muito instalada. E na grande maioria dos casos a culpa que a mulher carrega é simplesmente por ser, permitir sua essência natural e divina, permitir ser sagrada.

Ser sagrada matou e segue matando.

Apesar de toda humilhação, violência e pânico seguimos resistindo, embora acoadas, separadas e perdidas. Pouco a pouco irmãs vieram lutando e conquistando direitos e empoderamento - o direito de estudar, votar, ter opinião em seu casamento... foi com muita luta e muito sangue que eles vieram.

Seguimos juntas. Lutando, dando ouvidos e atenção para dentro de nós, enxergando em cada mulher uma irmã vestida de deusa, guerreira e sagrada. Vamos resgatar o que nos foi tirado, confiando e amando a nós mesmas. Que nada nem ninguém tire de nós a consciência de que somos uma obra divina, e que a nossa importância na Terra é semear, nutrir e fazer crescer amor e paz.

União. Revolução. Evolução. Sejamos uma, sejamos livres!

Maria de Nazaré, Dandara, Rainha Omega, Anita Garibaldi, Frida Callo, Monalisa, Morena Cardosa, Marielle Franco, Rupi Kaur, Maria Madalena, Celina Guimarães, Maria da Penha, Nísia Floresta, Millicent Fawcett.... e muitas outras sagradas guerreiras.


Nomes que merecem destaque, mulheres que devemos agradecer e honrar.




12 visualizações